14 de maio de 2018

Livro MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS NA PRÁTICA CLÍNICA, 1ª ED. 2018

Lançamento no IX Congresso SOBRAFO: 17, 18 e 19 de maio de 2018

Sumário, Agradecimentos, Nota, Prefácio, Apresentação, Introdução, Lista de abreviaturas e siglas, Conceitos básicos em oncologia, Cálculos farmacêuticos, Manipulação de medicamentos oncológicos, Extravasamento de medicamentos, Normatização de etiquetas para medicamentos oncológicos , Farmacovigilância na prática clínica, Medicamentos Oncológicos: Monografias, Anexos (kit extravasamento, modelo formulário para notificação de extravasamento).


25 de fevereiro de 2018

Octreotida: mg ou mcg? 0,01 mg ou 0,05 mg? EV ou SC?

Diluente, volume final e tempo de infusão: SF 0,9%, SG 5%. Lavar as linhas de infusão e equipos antes e após a infusão do medicamento. Não é necessário usar um filtro em linha. Cálculos: 5 ampolas de 100 mcg em 50 mL =10 mcg/mL = 50 mcg/h = 5 mL/h; 25 mcg/h = 2,5 mL/h. Infusão EV intermitente: 200 mcg em 50 mL e infundir em 15-30 min. Infusão EV contínua: 600 mcg em 250 mL e infundir 25 mcg/h; 1250 mcg em 250 mL e infundir 50 mcg/h. Infusão SC intermitente: 500 mcg em 50-100 mL. Injeção EV direta: injetar no intervalo de 15-30 seg.

Octreotida: diluição: 0,05 mg (=50 mcg); 0,1 mg (=100 mcg); 0,5 mg (=500 mcg) / 1 mL.

Concentração Inicial
Diluente
Volume Total de Infusão
Concentração Final
500 mcg
SF 0,9% ou SG 5%
100 mL
5 mcg/mL
200 mcg
SF 0,9% ou SG 5%
100 mL
2 mcg/mL
600 mcg
SF 0,9% ou SG 5%
300 mL
2 mcg/mL
1250 mcg
SF 0,9% ou SG 5%
250 mL
5 mcg/mL
2500 mcg
SF 0,9% ou SG 5%
500 mL
5 mcg/mL


Descrição: ampola de 1 mL com 0,05 mg (50 mcg), 0,1 mg (100 mcg) e 0,5 mg (500 mcg). Excipientes: ácido lático, manitol, bicarbonato de sódio, dióxido de carbono, água para injeção. Osmolalidade: 279 mOsmol/L (0,5 mg/mL em API); 280-350 mOsm/L (em 1 mL para 100 mL de SF 0,9%). Injeção com pH 3,7-4,3. Compatível com PVC, polipropileno. Estocar sob refrigeração, não congelar e proteger da luz. Para uso diário, podem ser estocados em temperatura ambiente, por 15 dias. Não usar via IM. 

SandoSTATIN® não é somatostatina. SandoSTATIN® = octreotida.


26 de dezembro de 2017

Medication errors associated with transition from insulin pens to insulin vials

Purpose Three insulin administration errors that occurred after a hospital’s transition from insulin pens to vials are described, and process improvement initiatives implemented to prevent future errors are reviewed.
Summary In response to numerous reports and warnings related to the risk of insulin pen sharing, a 450-bed community hospital made a transition from insulin pens to insulin vials. Shortly after this transition, three major medication errors involving insulin occurred. Root-cause analysis of the errors identified numerous contributing factors, such as incomplete nursing staff education, issues with the electronic medical record, and lack of adherence to medication administration policies and procedures. In response to these errors, process improvement initiatives were implemented to prevent future errors from occurring. These process improvement initiatives consisted of (1) providing education to nurses, (2) revising the appearance of the electronic medical record, (3) emphasizing the importance of using insulin syringes exclusively for insulin administration, (4) performing safety rounds to confirm proper safety checks, and (5) implementing daily improvement huddles hospitalwide. Newly implemented initiatives to help ensure safe insulin use included involving frontline nursing staff in medication safety committee meetings and requiring that all insulin glargine doses be prepared in designated insulin syringes in the pharmacy for dispensing to patient care units.
Conclusion After three major insulin administration errors, a review of processes and contributing factors was conducted. With additional education of nurses, improved staff communication, and implementation of other safety initiatives, no insulin administration errors were reported in the following year.
Adam N. TrimbleBryan Bishop and Nancy Rampe


4 de novembro de 2017

Nitroprussiato em infusão EV contínua: dose máxima, diluição, estabilidade, extravasamento e compatibilidade.

NITROPRUSSIATO

Nitrop®, Nipride®; nitroprusseto de sódio; NPS; nitroprusside sodium (DCI).


Indicação: vasodilatador arterial e venoso, reduzindo resistência vascular arterial e aumentando o pool venoso; ação direta no músculo liso vascular, formando óxido nítrico, responsável pela vasodilatação. Indicado para estimular o débito cardíaco e para reduzir as necessidades de oxigênio do miocárdio na ICC secundária ao IAM, redução rápida da pressão arterial em crises hi­pertensivas.

Descrição: ampola com 50 mg + diluente com 2 mL. Não realizar infusão em injeção IV direta, devido ao risco de hipotensão irreversível e choque.  Não aplicar via IM. Nunca administrar em infusão IV intermitente gota/gota. Para infusões longas, devemos estar atentos e saber reconhecer os sinais de intoxicação por cianeto. Injeção com pH 3-6. Estocar em temperatura ambiente, não congelar e proteger da luz.(5,6)

Posologia: Adultos e crianças: dose de 0,5-8 mcg/kg/min, IV.

Dose máxima em adultos: 10 mcg/kg/min IV para 10 min.(12)
        
                                                                                                                                                                      
Dose na insuficiência renal: não é necessário o ajuste da dose; na anúria: dose limite de 1 mcg/kg/min.(9,10,11)

Hemodiálise: não é necessário o ajuste da dose.(10)

Dose na insuficiência hepática: não é necessário o ajuste da dose.(10)

Reações adversas: com redução rápida da pressão arterial, podem ocorrer: náuseas, vômitos, sudorese, cefaléia, vertigem, palpitações, apreensão, tremores musculares, desconforto retroesternal e dor abdominal. Esses sintomas desaparecem se a velocidade da infusão for mais lenta ou se a infusão for interrompida temporariamente; bradicardia, alterações no ECG, hipotireoidismo, íleo paralítico, redução da agregação plaquetária, aumento da pressão intracraniana, rubor, irritação no local da aplicação e erupções cutâneas.  

Precauções: cuidado na insuficiência renal, hepática e no hipotireoidismo. O frasco do soro, bem como a extensão do equipo e do conector, deverão ser revestidos com material radiopaco, pois o medicamento é sensível à luz e sua exposição inativa seu efeito. A troca da solução deverá ser realizada a cada 6 h. Utilizar bomba de infusão para sua administração.

Monitorização do paciente: manter nível de tiocianato <50 mg/L. É contra-indicado para pacientes que sofrem de hipertensão compensatória, por exemplo, nos pacientes com 'shunt' arteriovenoso ou estenose da aorta; com atrofia ótica congênita ou com ambliopia por tabagismo; com ICC aguda, associada com RVP reduzida e para produzir hipotensão nas cirurgias em pacientes com inadequado fluxo sangüíneo cerebral ou pacientes moribundos.

Diluição: ampola 50 mg/2 mL.

Concentração Inicial
Diluente
Volume Total de Infusão
Concentração Final
50 mg
SF 0,9% ou SG 5%
1.000 mL
50 mcg/mL
50 mg
SF 0,9% ou SG 5%
500 mL
100 mcg/mL
50 mg
SF 0,9% ou SG 5%
250 mL
200 mcg/mL
50 mg
SF 0,9% ou SG 5%
125 mL
400 mcg/mL

Concentração máxima: 200 mcg/mL.(9)

Vias de administração: IV: infusão IV contínua.

Diluente, volume final e tempo de infusão: RL, SF 0,9%, SG 5%.  Infusão IV contínua: doses de 50-100 mg: diluir em 250 mL e monitorar os sinais clínicos dos pacientes. Para adaptar a dose individualmente a cada paciente, pode-se diluir primeiro a solução concentrada em 1.000 mL (1 gota = 3 mcg de nitroPRUSSIATO e 1 microgota = 1 mcg de nitroPRUSSIATO). Restrição hídrica: 50 mg:125 mL (400 mcg/mL).

Velocidade de infusão: inicial (mL/h) e infusão máxima (mL/h).

Dose
Velocidade
200 mcg/mL
Inicial
200 mcg/mL
Máxima
100 mcg/mL
Inicial
100 mcg/mL
Máxima
50 mcg/mL
Inicial
50 mcg/mL
Máxima
Peso (kg)
mL/h
mL/h
mL/h
mL/h
mL/h
mL/h
10
1
30
2
60
4
120
20
2
60
4
120
7
240
30
3
90
5
180
11
360
40
4
120
7
240
14
480
50
5
150
9
300
18
600
60
5
180
11
360
22
720
70
6
210
13
420
25
840
80
7
240
14
480
29
960
90
8
270
16
540
32
1080

    Protocolo de tratamento do extravasamento: limpar a área com álcool. Aplicar suavemente compressa FRIA durante 30 min a cada 4 h durante 24 h. Aplicar hidrocortisona 1% creme a cada 6 h durante 7 dias, se eritema persistir. Adaptado de: Cardiff and Vale University Health Board. Procedure for managing an extravasation. October 2016. Cardiff. UK.(7)

Riscos extravasamento: se concentração 2 mg/mL, infusão VVC(8); irritante.


Medicamento
pH
Osmol
Excipientes
Extravasamento
Nitroprussiato de sódio
3,5-6
-
-
Irritante


Compatibilidade na administração de via: acetato de potássio, acetato de sódio, ácido aminocaproico, ácido zoledrônico, ALENTUzumabe, ALfentanila, alprostadil, amicacina, amiNOFILina, anfotericina B complexo lipídico, anfotericina B LIPOSSOMAL, anidulafungina, argatroban, asparaginase, atenolol, ATROPina, AZITromicina, aztreonam, benztropina, bicarbonato de sódio, bivalirrudina, bleomicina, bretílio, bumetanida, buprenorfina, butorfanol, cangrelor, capreomicina, CARBOplatina, carmustina, cefamandol, ceFAZolina, cefoperazona, cefOTAXima, cefoTEtan, cefOXitina, cefTRIAXona, ceftizoxima, cefuroxima, cimetidina, cianocobalamina, cicloFOSFAMida, cicloSPORINA, CISplatina, citarabina, clindamicina, cloranfenicol, cloreto de cálcio, cloreto de potássio, dacarbazina, DACTINomicina, DAPTOmicina, DEXAmetasona, dexmedetomidina, dexrazoxano, digoxina, diltiazem, DOCEtaxel, dolasetrona, DOPamina, doxacúrio, doxiciclina, DOXOrrubicina, DOXOrrubicina LIPOSSOMAL, eFEDrina, EPINEFrina, EPIrrubicina, epoetina alfa, eptifibatida, ertapenem, esmolol, estreptoQUINASE, etoposido, etoposido (fosfato), famotidina, FENILEFrina, FENObarbital, fenoldopam, fentaNILA, fentolamina, fitomenadiona, fluconazol, fludarabina, fluoruracila, folinato de cálcio, foscarnete, fosfato de potássio, fosfenitoína, furosemida, GANciclovir, gatifloxacino, gentuzumabe, GENCITabina, GENTAmicina, glicopirrolato, gluconato de cálcio, granisetrona, heparina, hidrocortisona, HIDROmorfona, IDArrubicina, ifosfamida, inamrinona, indometacina, insulina regular, isoproterenol, ketorolaco de trometamol, labetalol, lepirrudina, lidocaína, linezolida, LORazepam, manitol, mecloretamina, meperidina, metadona, metaraminol, metilPREDNISolona, metoclopramida, metoprolol, metroNIDAZOL, micafungina, midazolam, milrinona, mivacúrio, morfina, nafcilina, nalbufina, naloxona, nesiritida, netilmicina, niCARdipino, nitrato de gálio, nitroGLICERINA, NOREPINEFrina, octreotida, ondansetrona, oxacilina, OXALiplatina, ocitocina, PACLitaxel, palonosetrona, pamidronato, pancurônio, penicilina G potássica, penicilina G sódica, pentamidina, PENTobarbital, piperacilina, piperacilina-tazobactam, piridoxina, polimixina B, procainamida, propofol, propranolol, protamina, ranitidina, rocurônio, suxametônio, SUFentanila, sulfato de magnésio, tacrolimo, teniposido, teofilina, tiamina, ticarcilina, ticarcilina-clavulanato, tigeciclina, tirofibana, tobramicina, tolazolina, topotecano, trióxido de arsênio, uroquinase, vancomicina, VASopressina, vecurônio, verapamil, vimBLAStina, vinCRIStina.(3)

Compatibilidade na seringa: cafeína, heparina, naloxona, salbutamol.(3)

Incompatibilidade na administração de via: Aciclovir, ácido ascórbico, anfotericina B, azaTIOprina, caspofungina, cefTAZidima, clorproMAZINA, dantroleno, DAUNOrrubicina, DAUNOrrubicina LIPOSSOMAL, diazepam, diazóxido, difenidrAMINA, eritromicina, fenitoína, garenoxacino, hidrALAZINA, hidrOXIzina, irinotecano, levofloxacino, mesna, mitoMIcina, mitoXANtrona, mofetila, MOXifloxacino, oritavancina, papaverina, PEMEtrexede, pentazocina, proclorperazina, prometazina, sulfametoxazol-trimetoprima, tiotepa, vinORELBina, voriconazol.(3)

Incompatibilidade na seringa: pantoprazol.(3)

Estabilidade das soluções diluídas em:

p SG5% concentração 1 mcg/mL é de 58 dias em TA e 264 dias refrigeração em seringa.(1)

p SG5%, SF ou RL na concentração de 0,05 e 0,1 mg/mL é de 2 dias em TA em PVC.(2)

Referências bibliográficas:
1.Kaisserlian CE, Razzouq N, Astier A, Paul M. Sodium Nitroprussiate Stability at 1 µg/mL in Aqueous Solution. EJHPS. 2005;4:88-90.
2.Mahony C, Brown JE, Stargel WW, Verghese CP, Bjornsson TD. In vitro stability of sodium nitroprusside solutions for intravenous administration. J Pharm Sci 1984;73:838-839.
3.Nitroprusside. Micromedex® solutions. Disponível em: http://www.periodicos.capes.gov.br. Acesso em 30 de janeiro de 2017.
4.Nitroprusside. Disponível em: http://www.stabilis.org. Acesso em 30 de janeiro de 2017.
5.Nitrop®. Informativo do produto. 2013.
6.UCL Hospital injectable medicines administration guide. Pharmacy Department. University College London Hospitals, 3rd ed. Wiley-Blackwell. London. 2010.
7.Cardiff and Vale University Health Board. Procedure for managing an extravasation. Disponível em: http://www.cardiffandvaleuhb.wales.nhs.uk. Acesso em 20 de fevereiro de 2017.
8.Recommandations lorsque la voie veineuse est nécessaire: voie veineuse périphérique ou centrale?  Pharmacie des HUG. Disponível em: http://pharmacie.hug-ge.ch. Acesso em 29 de março de 2017.
9.Phelps SJ, Hagemann TM, Lee KR, Thompson AJ. Pediatric Injectable Drugs (The Teddy Bear Book), Tenth e d. ASHP Publications. Washington. DC. 2013.
10.Taketomo CK; Hodding JH; Kraus DM. Pediatric Dosage Handbook, 23rd ed. Lexicomp. USA. 2016.
11.Nitroprussiato. Disponível em: http://www.hospitalsiriolibanes.org.br. Acesso em 26 de julho de 2017.
12.Nitroprusside. Disponível em: http://www.pdr.net. Acesso em 24 de outubro de 2017.